Categoria: ‘Virtudes’

Apenas uma Pequena Mentirinha

22 de outubro, 2010

Na semana passada, fui retirar dinheiro de um dos bancos na rua em que moro. Logo depois de sair, ouvi a voz de um homem atrás de mim. “Não posso falar. Estou dentro do laboratório e já vou ser atendido…

Intrigada, virei-me para ver o rosto do mentiroso, já que não havia nenhum laboratório móvel encostado na calçada. Em vez disso, vi as costas de um trio se afastando rapidamente, ladeira abaixo—pai e mãe, cada um segurando na mão de uma menina de uns cinco ou seis anos que andava entre eles.

http://decouplingblog.com/wp-content/uploads/2010/01/little-girl-holding-parents-hands-300x199.jpg

Leia o resto deste artigo »

Em Busca da Verdade

2 de Maio, 2009

Vi a entrevista televisada da ministra Dilma Rousseff no Hospital Sírio Libanês há alguns dias, revelando que havia retirado um linfoma e que iniciaria um tratamento quimioterápico. Não consegui ver a coletiva toda pois, por alguma razão, o programa que estava vendo ficava saindo e voltando para a entrevista. Achei que ela parecia desconfortável e fiquei olhando e escutando, tentando imaginar o que estava acontecendo dentro da cabeça e do coração dela.

Cuidadosamente evitando a palavra “câncer”, ela se esforçava para minimizar a doença (por razões políticas?) enquanto, ao mesmo tempo, parecia procurar

Leia o resto deste artigo »

A Bênção que veio através de uma Secretária Incompetente

18 de abril, 2009

Alguns meses atrás, no post Homenagem a um Cobrador-de-Ônibus Anônimo, refleti sobre a maneira em que a atitude e conduta de um funcionário pode grandemente afetar a percepção do cliente do serviço ou produto oferecido através dele. Naquela ocasião, contrastei a boa vontade e alegria de um cobrador de ônibus, com a má-vontade, antipatia e incompetência de uma vendedora de calças jeans.

Desta vez, pretendo compartilhar como uma secretária muito “chata” engatilhou o processo que acabou nos conduzindo a uma mudança de cirurgião, no desenrolar das minhas preparações para operar a tireóide.

Leia o resto deste artigo »

Pescando onde os Peixes Estão (1)

23 de novembro, 2008

Desde então começou Jesus a pregar, e a dizer: Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus. E Jesus, andando junto ao mar da Galiléia, viu a dois irmãos, Simão, chamado Pedro, e André, os quais lançavam as redes ao mar, porque eram pescadores; E disse-lhes: Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens. Então eles, deixando logo as redes, seguiram-no.—Mateus 4.17-20

Alguns dias atrás, desci a rua em direção ao supermercado pertinho da minha casa. Precisava de alguns ingredientes para fazer um “bolo de frutas cristalizadas” (com nozes, cerejas, etc.) para a reunião de encerramento, no dia seguinte, do grupo de esposas de seminaristas do qual participo como uma das coordenadoras.

Quando cheguei em frente à entrada da loja, tinha uma mocinha encostada na grade que cerca os carrinhos e o balcão de flores. É freqüente ter pedintes naquele local e quando ela falou, sacudi a cabeça para indicar que não iria lhe dar dinheiro, sem fazer contato visual. Entrei, fiz as compras e saí, novamente evitando olhar diretamente para ela e sinalizando que “não tinha” quando ela insistiu. Mas fiquei pensando sobre ela—sobre onde ela morava, e o que ela faria com o dinheiro se eu lho tivesse dado.

Leia o resto deste artigo »

Apenas Seis Palavrinhas

17 de agosto, 2008

A ansiedade no coração abate, mas a boa palavra alegra.—Provérbios 12.25

Alguns dias atrás minha irmã me mandou um e-mail contendo um agradecimento da esposa de um antigo professor nosso. Este senhor acabara de passar três semanas convivendo com a igreja e a família da minha irmã, ensinando, pregando e participando de um sínodo. Foi hospedado e ciceroneado por eles e, agora, estava de volta no seu lar, no outro lado do país. Isso me relembrou do impacto, na minha vida, de seis pequenas palavras, faladas por esta senhora que nunca cheguei a conhecer bem.

Assim, meus pensamentos voltaram ao passado — aos tempos quando estudávamos (meu marido e eu) numa faculdade evangélica nos Estados Unidos. O Dr. Oliver era nosso professor de alguns cursos bíblicos—especialmente Filosofia da Fé Cristã (curso em Teologia Sistemática, usando o livro de Louis Berkhof). Nessa capacidade ele teve um enorme impacto na nossa compreensão das doutrinas reformadas—reforçando aquilo que ambos já havíamos aprendido desde crianças. Professor acessível, conversava bastante com meu marido e apoiou sua ida subseqüente ao seminário. Ele fazia parte do nosso dia-a-dia…

A sua esposa, a que escreveu para minha irmã, por outro lado, raramente aparecia na escola. De vez em quando, assistia a programações especiais. Eu a conhecia de vista, mas, sendo muito tímida, nunca me aproximei dela. Entretanto, um dia, creio que foi no meu segundo ano, ficamos lado a lado e ela começou a conversar comigo. Não me lembro do assunto, nem da ocasião, mas penso que devo ter falado algo que refletia a minha insegurança a respeito da minha aparência – magra, alta, acanhada com as pessoas.

Skinny.jpg

Alta, Magra e Tímida
Eu (com 12 anos e 1,75m), minha irmã e minha mãe, em 1964

As palavras que ela então falou me marcaram pelo resto da vida. Ela disse que sempre me admirava quando me via e falou: You carry yourself like a queen. (Você se porta como uma rainha.)

Leia o resto deste artigo »