Categoria: ‘Valderez Sena Portela’

Dia das Mães – 2009 (2)

10 de Maio, 2009

Da última vez escrevi como mãe—do lado recebedor do Dia das Mães. Mas também sou filha e como tal saí, como todo mundo, para procurar presentes para minha sogra-mãe. Não é difícil agradar a Mamãe. Ela consegue apreciar o mero fato de um presente ter sido adquirido para ela—fica contente por ser lembrada, examina a embalagem e seus enfeites (tirando a fita durex com todo o cuidado, o papel sem rasgar e depois dobrando e guardando tudo cuidadosamente), preocupa-se que a gente “gastou dinheiro à toa”.

arvoressp21

Depois, ela vê beleza nos mínimos detalhes de cada presente. Entretanto, muito daquilo que recebe acaba sendo guardado numa gaveta por ser “bonito demais para usar” ou porque ela acha que, um dia,

Leia o resto deste artigo »

Homenagem a uma Mãe em 1956

4 de Maio, 2009

Nas caixas de recordações da minha sogra, Valderez, tem duas folhas de papel bem escurecidas com o seguinte registro nas costas. 1956. Homenagem à minha mãe. Conversando com ela, soube que são um rascunho de algo que copiou num papel bonito e enfeitou artisticamente para dar de presente para sua própria mãe no Dia das Mães.

Posteriormente, o texto já foi lido em reuniões de mulheres e em igrejas, como também publicado—mas ela não lembra mais onde… De certo, a sua própria mãe se sentiu valorizada pelas palavras da filha, então com 32 anos.

A mãe da Dona Valderez era chamada de “Mocinha”. Casou-se aos 16 anos com um pastor viúvo,

Leia o resto deste artigo »

O Casamento do nosso Caçula
(Acontecimentos Periféricos)

23 de julho, 2008

Quando minha sogra se mudou para morarmos juntas, em 2007, uma querida amiga em Recife lhe deu um presente de despedida. Eu já escrevi sobre essa amiga antes em http://www.cronicasdocotidiano.com/?p=169 , num trecho perto do fim do artigo quando comentei como uma boa acolhida pode resultar em amizades duradouras e de efeito permanente. Continuei: Tenho uma amiga muito especial que encontrou abrigo no meu coração há 36 anos quando ela me hospedou na sua casa (então em Sergipe), numa viagem que fiz pelo Brasil com meu noivo (atual marido) e futuros sogros em 1971.

ParabensMaria.jpg

Esta amiga (V…) perdeu a mãe cedo na vida e Mamãe sempre foi uma das pessoas que lhe servia como referencial, ouvindo, aconselhando e orando por ela. Da minha idade, ela agora já assumiu o mesmo papel para parentes e amigos, e a sua espontaneidade, alegria e entusiasmo servem como fonte de encorajamento para muitos.

Pois é, minha amiga tem o dom de se colocar no lugar dos outros e está sempre tentando imaginar como melhorar e animar a sua vida.

Leia o resto deste artigo »

A Minha Vida Ficou Mais Florida (6)

21 de abril, 2008

Continuo com a série de postagens citando porções do “livro” da minha sogra para os netos, recordando partes da sua infância. Aqui ela fala de um empregado da família, cuja sintonia com Deus e com a natureza lhe rendeu uma outra preciosidade—amizade e carinho num mundo em que as pessoas, normalmente, não procuram nem cultivam afinidade e afetividade em relacionamentos com os “emergentes” na sociedade – “de cima para baixo”. (A “parte florida” encontra-se no meio do texto.)

Orquideas.jpg

FONSECA — Nosso Empregado. Um irmão na Fé e Amigo

Conheci Fonseca aos meus quatro ou cinco anos de idade. Ele era um negro alto, moço, talvez com uns 25 ou 30 anos de idade. Era magro e feio — rosto comprido, aparecendo os ossos da face — tinha um cacoete estranho — ao falar tremiam-lhe os lábios e músculos ao redor. Convertera-se a Jesus Cristo por uma das pregações de meu Pai, na Igreja Congregacional de Serra Verde. Ele trabalhava na casa do Sr. José Muniz, cuidando dos animais, junto com os filhos do patrão.

Leia o resto deste artigo »

A Minha Vida Ficou Mais Florida (5)

14 de abril, 2008

Nesta série—“Minha Vida Ficou mais Florida”—estou postando várias histórias escritas por minha sogra, para seus netos, derivadas de memórias do seu tempo de menina e moça. Meu propósito é demonstrar como a sua sensibilidade à natureza colore e enriquece as suas lembranças e as nossas vidas. Creio que algumas das minhas leitoras mais idosas, com suas próprias lembranças da vida rural, no “tempo antigo”, irão gostar de serem levadas a mergulharem num passado que, talvez, foi um pouco parecido….

azaleia.jpg

O relato que se segue ocorreu na segunda metade da década de 1930, quando o pai da jovem Valderez era pastor da Igreja Congregacional de Munganga, no estado de Pernambuco. No início, eu pretendia publicar apenas a sua descrição do encanto de uma fazenda vizinha onde a abundância de flores davam um constante ar de dia de festa. Onde havia beleza todos os dias do ano… Mas, depois, resolvi pedir sua permissão para colocar a maior parte da narrativa… Pois, pelo desenrolar dos eventos, por ter ficado acanhada com uma situação e por ter sido causa involuntária de um dano material, ela acabou achando que seria melhor evitar encarar a família das suas amigas…. Assim, nunca mais freqüentou aquele paraíso.

Boa leitura!

Betty

Leia o resto deste artigo »